9.2.07

Limiar do Invisível ... do Ser


No limiar do invisível vejo o ser que em mim habita.

Tento recompor-me de tamanha surpresa ... tento perceber as imagens que os meus olhos transmitem aos meandros do meu cérebro.

Invisível ... se vejo não pode ser invisível esse ser que vive no corpo que detém esta mão que se expressa com as letras de um cérebro confuso. Um ninho de células e fios codutores que recusa perceber que a sua alma se eleva e se revela ... luz ténue quase impercetível para que não seja notada pelos demais transeuntes desta vida terrena.

3.2.07

Escrito nas pétalas

Nas pétalas de uma rosa encontrei desígnios … “Muitas vezes te perdeste , muitas mais vezes te perderás por ruas e ruelas até conseguires encontrar o teu caminho, mas só o conseguirás se lutares, se manteres a esperança e nunca desistires.”