4.11.08

A voz poeta de José Rasquinho

Faço de Tudo um pouco

Não faço nada bem feito
Mas faço de tudo um pouco!
Por essa minha mania
Ou, se quiserem, defeito
Podem mesmo vir, um dia,
A chamar-me tolo, ou louco!

Hoje deu-me p’ra poesia!
Será que tenho algum jeito?
Amo o Sol e a Natureza
Levo a vida com alegria
Só tenho uma grande tristeza:
Não faço nada bem feito!

A quem vive a criticar
Não ligo, não lhes dou troco.
É bom sonhar acordado,
Ser livre, poder voar…
Não sou nenhum iluminado,
Mas faço de tudo um pouco!


Visita os blogs do José Rasquinho :)

30.10.08

Dia Nacional de Luta contra o Cancro


Cancro da mama mata 1.800 portuguesas por ano

A associação "Ame e Viva a Vida" convida Portugal a vestir-se hoje de cor-de-rosa para assinalar o dia nacional de luta contra o cancro da mama, doença que mata 1.800 mulheres portuguesas por ano.

Além do pedido para toda a gente vestir uma peça cor-de-rosa, a associação vai distribuir um folheto de sensibilização e informação nas 18 capitais de distrito.

O médico e também fundador da associação Fortuna Campos explicou que o folheto ensina o auto-exame, refere a importância das consultas e de mamografias periódicas.

O auto-exame deve ser feito a partir dos 20 anos e até à menopausa, uma vez por mês, depois do período menstrual. A realização da primeira mamografia deve ser feita por volta dos 35/40 anos e a sua repetição periódica é determinada por factores de risco e avaliação médica.

Entre os factores de risco estão casos de cancro na família, uma primeira menstruação precoce (antes dos 11 anos) e uma menopausa tardia (após os 55 anos).

O cancro da mama mata por ano 1.800 mulheres portuguesas, alertou o presidente da Liga Portuguesa Contra o Cancro, Vítor Veloso, referindo ainda cinco mil novos casos anuais no país.

O número de casos conhecidos tem aumentado nos últimos cinco anos devido ao alargamento de rastreios, que permitem a detecção precoce da doença, e aos estilos de vida actuais, que incluem stress, má alimentação, sedentarismo e tabaco.

Decréscimo da mortalidade

Em declarações à Agência Lusa, o coordenador nacional das doenças oncológicas, Pedro Pimentel, acrescentou, por seu lado, que os números em cinco anos mostram uma taxa de sobrevivência entre os 75 e os 80%.

"Tem-se registado um decréscimo sustentado e consistente na mortalidade, que passa pela cobertura do programa de rastreio e a maior consciencialização das mulheres, que permite um diagnóstico mais precoce" e uma maior taxa de sucesso no tratamento, referiu.

Actualmente, o rastreio está acessível a metade das portuguesas, mas o presidente da Liga acredita que no máximo de dois anos a totalidade da população possa estar abrangida.

Com uma cobertura total do programa, a mortalidade poderá diminuir em 20 por cento num período de cinco a 10 anos, acrescentou à Lusa Vítor Veloso.

O programa de detecção é desenvolvido pela coordenação nacional de rastreio da Liga através de protocolos com as Administrações Regionais de Saúde.

http://www.ameevivaavida.pt/site/index.php

http://www.ligacontracancro.pt/

http://www.laco.pt/

23.10.08

Memórias de M. T. Branco - Homenagem

Embrenho-mo entre as árvores
Da minha floresta negra
Ouço o vácuo do nada
Bate-me a brisa
Escura como bréu
Sou um vulto intempestivo
Onde o ser é sombrio
Gélido, aparência medonha
Desperta-me o medoS
ou dona da solidão
Alma perdida
Sento-me nos pensamentos pérfidos
Desejo a noite
Que toma conta de tudo
Onde vou esperar
Pronta para recomeçar...

M. T. Branco
Visita o blog da Maria, chama-se Memórias e tambem está aqui ao lado :)

As hilariantes histórias de Mia - Homenagem


Eu sabia que um dia ia pagar, bem caro, as minhas fugas furtivas às idas ao médico. Sim, aqui a menina só vai ao médico quando está nas ultimas… tipo com um pé na cova, ou constantes alucinações de alguém com um tridente a segredar ao ouvido “ tu vais a seguir, vais desta para melhor.”. Como ainda me considero bastante jovem para “adeus mundo, vou partir”, lá me arrasto para um profissional de saúde. Mas, se fosse sempre assim, nem me estava aqui a lamentar… o pior é que agora não faço mais nada do que estar enfiada em consultórios médicos… bah!!!!!

A visita quinzenal à sanguessuga de serviço é quase uma obrigação religiosa. Vá, nada de reclamar, toca de esticar os bracinhos e entregar o meu sangue-não-azul para mais uma análise, mais um despiste, mais-um-rais-que-o-parta!

O meu organismo passou-se de vez, acreditem! Só posso atribuir este facto à PDI. Como não bastasse as dores de costas que me acompanham diariamente… agora, o meu organismo achou por bem brincar comigo… os valores de glicemia andam completamente loucos, aparvalharam de vez. Ou seja, se há dias que quase que arrebento a escala, noutros dias os valores estão completamente normais. Como não há qualquer constante neste valores… aqui a menina não faz mais nada do que repetir o belo do testezinho. Ahhhh e cada vez que é para repetir esta droga de teste, perco 3 horas… sim, o teste demora 3 horinhas de rabo alapado a um cadeira desconfortável… aiii as minhas costas! O que vale é que as coisas até são animadas… em jejum pedem para beber um liquido hiper-doce… bah…ninguém merece… depois para não cair na seca total da espera, de trinta em trinta minutos, ou de hora em hora, lá me vêm tirar mais um cadito do meu precioso elixir vital…

Amanhã lá vou eu estar mais 3 horinhas de bunda colada numa cadeira qualquer, mais uma análise aos valores da glicemia e confirmar, ou não, se tenho diabetes gestacionais. Qualquer dia, se isto continuar assim, os meus braços vão virar um passador… e farão "inveja" a muitos “agarrados”!

Visita o Blog Salpicos de luz ... o link está aqui ao lado :)

Pensamentos de Ramarago - Homenagem


…em todas as formas de vida e dos sentires, existem conjunturas e elos que se interligam, perfazendo a Harmonia dos nossos Universos, envolvendo-se num constante ciclo de equilíbrios entre o Céu e a terra, onde a Tranquilidade espiritual é uma meta significativa e plena para a êxtase do Amor…

… existem caminhos paralelos, que nós conduzem à montanha do nosso ser interior, onde com a essência da cumplicidade nos sentires, faz atingir a plenitude do “Céu”, e nele se querer ficar, para sempre…

… a Arvore, que tem a seiva da vida, ramifica-se pela terra e pelo céu, através dos seus ramos e raízes, personificando esse ciclo de equilíbrio…

… o segredo desta conjuntura é saber dar-se e saber receber-se… Sem ter medo do mundo que nos rodeia…

Palavras de Rui J. Santos - Homenagem




Tu que em mim entraste sem querer
Tu que de mim não sairás jamais
Tu que alimentas o meu ser
Tu que és diferente das demais

Tu que a minha alma tem lá dentro
Tu que me deixas sem dormir
Tu que nas horas de partida
És tu que impedes de partir

Mas partiste sem sequer dizer adeus
E deixaste em mim muita saudade
Fostes tu quem me mostrou a cor do céu
E és tu que vou amar prá eternidade


Rui J Santos

23.6.08

Homenagens ...



Homenagens ... quantas e quantas vezes se prestam homenagens às pessoas depois da morte do seu corpo? Concerteza que as suas almas se alegram pelo seu trabalho reconhecido, mas ... nós, que ainda por aqui andamos, não podemos ver essa suposta manisfestação de alegria. Seria muito mais salutar para ambos os lados receber essa homenagem quando se tem voz para falar, lágrimas de emoção, sorrisos tremulos de alegria, gestos de reconhecimento ...

Felizmente já existem situações assim :-) parece que afinal, nem todos andam a dormir. Que o diga, por exemplo, o nosso grande Rui de Carvalho que já foi bastante acarinhado.

Pois é ... decidi homenagear amigos ... aqueles que se destacam pelos seus dons de escrita, fotografia, pintura ... seja lá qual for o tema em que mais se destacam :-) Não quero, com isto, deixar pessoas de lado, dando-lhes mais ou menos importância ... não tenho interesse algum em ferir sentimentos, antes pelo contrário, pois as amizades sempre foram importantes para mim. São presença essencial na minha vida!!

Entenda-se que uma homenagem serve para destacar algo de especial que uma determinada pessoa tenha em si ... um dom!

8.5.08

8 vidas 8 amores





6 vidas vividas
6 amores saboreados
1 vida a decorrer
1 amor para encontrar
1 vida por viver
1 amor por desvendar

Continuo a flutuar ...




Continuo a flutuar ...
sou peixe
sou mar
sou ar
pássaro no voar

No vogar de uma onda
sou caravela
e parto à descoberta
do infinito
da alma
de uma janela aberta
para o interior do ser

... flutuo ...
ouço o meu silêncio
e percebo ...
que ele também é o teu ...

18.3.08

Sinto-me flutuar ...





Sinto-me flutuar no infinito de águas profundas, plenas de pureza ... o corpo torna-se leve, imperceptível, os movimentos lânguidos provocados pelo ondular ... silêncio, ouço o meu pensar ... nada mais tem importância, sigo a luz que me chama!
Entrego o corpo ao seu destino … não é mais do que o transporte através do qual me movo … presa … enquanto aprendo o que realmente sou e para que aqui estou.
Sei que ainda não é hora de partir … ou será que estarei a chegar?!... sinto-me flutuar … sensação ambígua e doce que me liberta do peso do quotidiano … estarei a sonhar?!... assim prefiro não acordar …

18.2.08

Nas ervas - Eugénio de Andrade

Escalar-te lábio a lábio,

percorrer-te: eis a cintura
o lume breve entre as nádegas
e o ventre, o peito, o dorso
descer aos flancos, enterrar

os olhos na pedra fresca
dos teus olhos,
entregar-me poro a poro
ao furor da tua boca,
esquecer a mão errante
na festa ou na fresta

aberta à doce penetração
das águas duras,
respirar como quem tropeça
no escuro, gritar
às portas da alegria,
da solidão.

porque é terrivel
subir assim às hastes da loucura,
do fogo descer à neve.

abandonar-me agora
nas ervas ao orvalho -
a glande leve.

14.2.08

30.1.08

... ACORDA ...

O teu sangue
... a tua força
a tua paixão
o teu tremor
rancor
pudor
a tua mágoa
tua dor
alegria
euforia
... GRITA ...
grita a tua ira
grita o teu júbilo
mostra quem és
mostra o que sentes
de dentro para fora
esquece as aparências
corta as amarras
desta sociedade
... grita o teu sentir
mostra a cor do teu sangue
sangue que corre
e faz ferver as tuas veias
atiça a tua alma
e fervilha de emoções
... ACORDA ...

28.1.08

Lágrima

Rolei da alegria
ou tristeza de alguém
não sei ...
em ti me amparei
pela tua beleza me encantei
Fiquei aqui a saborear-te
presa nas tuas folhas
num suave embalar
e esqueci ...
esqueci-me de mim
se de dor ou de júbilo caí