18.3.08

Sinto-me flutuar ...





Sinto-me flutuar no infinito de águas profundas, plenas de pureza ... o corpo torna-se leve, imperceptível, os movimentos lânguidos provocados pelo ondular ... silêncio, ouço o meu pensar ... nada mais tem importância, sigo a luz que me chama!
Entrego o corpo ao seu destino … não é mais do que o transporte através do qual me movo … presa … enquanto aprendo o que realmente sou e para que aqui estou.
Sei que ainda não é hora de partir … ou será que estarei a chegar?!... sinto-me flutuar … sensação ambígua e doce que me liberta do peso do quotidiano … estarei a sonhar?!... assim prefiro não acordar …